Rua Samambaia

0
64

História dos Bairros

A Rua Samambaia tem praticamente a mesma idade de Rio Claro. A sua história liga-se à formação dos bairros Santa Cruz e Santana. Seu nome associa-se à predominância do verde das samambaias, figueiras e também da abundância de água subterrânea que empoçava no meio do caminho com frequência, levando a população a construir suas casas em um nível mais elevado. A rua era uma estrada por onde passavam as tropas e os tropeiros, conduzindo as suas boiadas. A estrada começava pela Rua 6 (atual Espaço Livre), seguindo pela Rua 8. Este era o caminho para São Pedro, Ipeúna e Brotas. Nela, existiam duas casas comerciais, sendo duas vendas, uma do Capello e outra do Serafim. O movimento comercial era realizado pelos mascates e por vendedores carroceiros, que negociavam todos os tipos de mercadorias para a população local e sobretudo para os tropeiros. Uma igreja presbiteriana, localizada na final da rua (hoje local da Igreja do Nazareno) atendia a comunidade desde a década de 1860, sendo também o local de reuniões e cultos, bem como o local das vacinações em época de epidemias.

O campo de futebol era o foco de lazer da população, situado no local do atual prédio da UNESP. Ali, as crianças divertiam-se. Para os adultos, havia o “Correr da Glória”, uma casa de tolerância. As demais diversões ficavam a cargo do mundo da rua, onde a criançada fazia valer a sua criatividade. Hoje, a rua ainda preserva algumas construções antigas, reminiscências de seu passado, como os quintais das casas, amplos e floridos, lembrando as antigas chácaras. Seu comércio é diversificado, com supermercado, sorveteria, muitos bares, mantendo a tradição do local, cabeleireira, bicicletaria, restaurante, oficina mecânica e padaria.

Mesmo com o passar dos anos, a Rua Samambaia continua a exercer o papel de um corredor, ou seja, uma passagem interligando os bairros da região Noroeste, ao centro da cidade.

Dijalma de Camargo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui